quarta-feira, 23 de setembro de 2009

não posso dizer-te o quanto gosto de ti... não posso...







...como saberias viver com tanto?

2 comentários:

Observador disse...

Não interiorizes demasiado.

Pedro Branco disse...

Tanto é esse minuto suspenso no ar
O sufoco que se prende nos passos
O beijo carregado de pedaços
De tanta memória para deixar voar...

Tanto é esse suspenso minuto cantado
Onde o tempo morre e permanece
Onde somos poder e prece
De tanto o futuro ainda ser passado...

Tanto é cada silêncio do teu nome
Outra vez saudade. Novamente eterno.
Outra vez suspiro preso no calor do Inverno.
De tanto ser este tanto que me consome...

Tanto é o poema aberto em mim
O mistério e a estrada da falésia em flor
O bater das ondas dentro do peito e o amor
De tudo ser tanto e nunca ter fim...