quinta-feira, 1 de outubro de 2009


Se numa noite destas, fria e chuvosa, velada pela escuridão das ruas sem nome, resolveres partir... não digas nada. Se resolveres cruzar com as tuas asas outro céu que não o meu, nada digas. Levanta voo e não olhes para trás. Eu ficarei aqui, ver-te-ei rasgar o céu que reclamava a tua presença e te roubou de mim sem aviso. As tuas asas continuarão a bater-me no peito. Não te despeças.
Não queiras que apague cada poesia nossa. Não queiras que adormeça em mim a memória de cada noite em branco. Não me peças que te liberte das masmorras do meu coração.


Não digas adeus...

é o adeus que mata em mim esta esperança que cresce como erva daninha no fundo da alma e me faz duvidar...

5 comentários:

Observador disse...

Never say goodbye.

Kiss

Tudo de mim. Ou quase. disse...

Querido A.:

Realmente, em inglês soa melhor...

ehehe

Beijinho

Observador disse...

Pois ...
;)

intimidades disse...

a amor e feito de esperancas

Jokas
Paula

Rabisco disse...

Um dia eu disse "preferia cinco minutos de felicidade a uma vida inteira sem a ter"...disseram-me que era ilusão, mas não penso assim.
Amar também é isso...deixar partir sem um adeus...deixar ser livre de escolher e, um dia, voltar em quaisquer cinco minutos e, por vontade própria, voltar nesse tal dia de Primavera...

=)