sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Que seria?

As palavras falham-me. Sinto a cabeça a latejar, vazia, ou então, demasiado cheia. Tão cheia que os meus dedos trôpegos não conseguem acompanhar a velocidade dos pensamentos que a percorrem. Nem escrever consigo e deixo-me embalar numa apatia que me faz doer a pele, a carne, os ossos e tudo cá dentro.

O passado fim-de-semana teve acontecimentos únicos de tão fantásticos mas o desfecho do mesmo continua a chicotear-me o corpo. Voltei a ter insónias. As poucas horas que durmo entregam-se a pesadelos que não consigo evitar quando os olhos fecham. Os comprimidos cor-de-rosa permanecem na mesinha de cabeceira.

O cansaço era imenso, é verdade. Era quase dia, tão dia, que a claridade já feria os olhos depois de um dia e uma noite a dançar no meio do pó. A viagem não seria assim tão longa até chegar a casa. Duas horas e meia, três no máximo. Mas os olhos deixaram-se trair pelo sono. Fecharam-se dois segundos. E aquilo que me lembro é do primeiro embate, o arrastar do carro pelo muro, como que em câmara lenta. Não penso em mais nada. Apenas pergunto a mim mesma: se em vez do muro estivesse um precipício; se em vez daquela estrada, o carro seguisse numa auto-estrada a alta velocidade...

QUE SERIA?

4 comentários:

Patrícia disse...

Credo!
Que post medonho! Era um muro porque tinha que ser um muro. Pq iamos sentir a tua falta e porque assim pagas o muro tb :P
só espero que nng se tenha magoado.

Pedro Antunes disse...

seria o que foi...
foi o que tinha de ser....
não vale a pena pensar nisso...
acontece o que tem de acontecer no momento em que tem de acontecer..
doi o que doi quando tem de doer...
é sempre suposto aprendermos algo com o que se passa...
e isso as vezes não é tão facil...
sustos assim fazem-nos dar mais sentido ao carpe diem... mais valor aos sonhos...
mais valor a vida...

tenho-te conhecido enquanto te leio,, tenho partilhado a tua busca de sentido e dos sentidos... confesso que admiro a forma como te contas e a tua frontalidade..
tenho de dizer-te que estou a gostar muito desta partilha....
conta comigo se precisares de dasabafar... será uma honra retribuir a luz que das quadno escreves

beijo

Tudo de mim. Ou quase. disse...

Patrícia:
bem-hajas pelo sorriso que me obrigaste a esboçar. :)
E bem-vinda ao meu cantinho. Serás sempre bem recebida.

Tudo de mim. Ou quase. disse...

Pedro:
tudo o que aconteceu me fez questionar mais ainda... procurar mais ainda... querer mais ainda. A vida parece pouca.
Obrigada pela admiração que demonstras. Mas apenas solto palavras. Somente isso.

Um beijo