quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Não! Não! Não!





Não me sonhem. Não me idealizem. Não tentem descortinar a minha felicidade por entre lágrimas ou a minha tristeza escondida num sorriso. Não tentem.



Não me conhecem em cada sonho que me surge no peito enquanto encosto a cabeça ao céu. Não sabem o que eu sofri. Não compreenderão a minha sede de infinito ou o meu descontentamento constante. Não conseguirão entender a contradição que é ser-se feliz com coisas simples e, ao mesmo tempo, querer tudo. Sentir o mundo na palma das mãos.


Não me sonhem. Não me idealizem. Eu sou o que se vê e não sou nada do que julgam ver em mim. Perco-me para que não tentem encontar-me. Erro. Vacilo. Caio no pó do caminho. Levanto-me de joelhos esfolados e cabeça erguida. O sol ou a chuva tentam impedir-me de prosseguir mas não quero voltar atrás.


Não me sonhem. Não me idealizem. Se, na verdade, nem me vêem, como poderiam fazê lo? Como podem pensar que me conhecem? Julgam-me. Julgam o meu sorriso. Julgam a minha ira. Julgam que eu sou assim porque sim. Não sabem nem nunca saberão que a vida me transformou no que sou. Não me sonhem. Não me idealizem. Não.
 
 
 
Deixem-me ser.





4 comentários:

loxodonta disse...

Olá!
Será que tu própria sabes verdadeiramente quem és?
Por vezes, na esperança de nos aproximarmos áquilo que gostaríamos de ser também nós nos idealizamos...
Beijinho

Tudo de mim. Ou quase. disse...

Olá!
Na verdade, sei melhor quem não sou do que quem sou. Se me idealizo? Hum... Já perdi mais tempo a fazê-lo que agora. Podem limar-se umas arestas mas nunca se pode mudar a verdadeira essência de alguém.

Beijinho e obrigada pela visita :)

loxodonta disse...

Continuarei a visitar-te se continuares a abrir-me a porta ;-).
Quando nos sentimos bem num sítio temos tendência para repeti-lo...
Bj

Tudo de mim. Ou quase. disse...

Minha querida, na minha humilde casa não existem portas para aqueles que vêm por bem. Basta que tragam um pouco de ar fresco e o resto vem por acréscimo. Obrigada pelas tuas palavras...
Beijinho*