segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Coisas que me deixam absolutamente possuída!



Eu detesto que estraguem as minhas revistas. Tenho um apreço especial por todas as Vogue's que já comprei e que guardo religiosamente. Uma pequena parte dessas revistas estava por baixo de uma das mesas sala. Eis se não quando, acabada de sair da casa-de-banho, me deparo com a cena que podem ver aí em baixo. Quase fiquei irritada. Quase. O meu lindo cão a roer as minhas revistas, enquanto a gata, já com idade para pôr algum juízo no cão, apreciava a cena. Lindo... Mas como não cheguei a ficar irritada e me fiquei só pelo quase ainda fui buscar a máquina fotográfica para registar o momento. Só depois fui acabar com aquela rambóia que estava a acontecer debaixo da mesa.






Após um belo raspanete, o diabrete ainda fica com estes olhinhos de carneiro mal morto, como quem diz não fui eu...

Arghhh assim é impossível ficar zangada. Chantagista emocional!






Vá, eu sei, eu sei, a minha vida não tem nada de interessante e, como não tenho bebés, não posso falar de fraldas e babetes, papas e merdas desse estilo, mas eu tinha avisado...

12 comentários:

Observador disse...

Ciente do aviso, avancei para a leitura.
E dei de caras com o chantagista.

Malandreco...

Bj

Gonçalo disse...

É um pastor belga? Faz-me lembrar o meu cão quando ainda era cachorrinho...

Beijinhos grandes *** ;)

Tudo de mim. Ou quase. disse...

Observador:
Um verdadeiro diabinho de quatro patas. Então, ciente do aviso, podes continuar a ler! (Sorriso)
Beijinho

Gonçalo:
Não sei de que raça é, se queres que te diga... Deve ser um cruzamento entre um vou-fazer-te-a-vida-negra e um ó-pa-mim-tão-fofo-que-não-parto-um-prato...
Enfim, agora a sério? Só conheço a mãe dele, uma rafeirita. Do pai não sei nada. Estou capaz de fazer testes a todos os cães da zona, mas são mais que muitos...
Bom, fica órfão de pai, tadinho!
Beijinho

Gonçalo disse...

O meu é um cruzamento entre uma pastora belga e um rafeirito. Ainda teve a sorte de ficar com a manchina branca da raça no peito. O teu também tem?

Cátia disse...

É tão fofinho!

Narizinho Lunático disse...

Ahahah!!! :D Experimenta ter uma gato de 1 ano e outro de poucos meses... Ele é jarras partidas, dvd's espalhados, cd's partidos, plantas prestes a terem um AVC (:p)... É uma alegria!! :p

Quanto ao comentário que me deixaste... Sabes... Não precisas dizer explicitamente o que se passa... E, embora cada situação seja única... E não hajam duas situações iguais, nem duas pessoas iguais... Sei muito bem o quanto tudo isso doi. E, quando percebo que alguém está a sofrer como eu sofri... Bem, parece que tudo aquilo volta, como uma espada que me trespassa o peito. Por isso, gosto de deixar palavras... Que são meras palavras, porque palavras não são abraços, nem beijos, nem mimos... Tudo o que mais se precisa nesses momentos. Mas são palavras de conforto. E eu sei o quanto conseguem aquecer-nos o coração! Beijinhos... E paciência ai com o pequenote... Ele só está a explorar os cantos da casa!! :D

Tudo de mim. Ou quase. disse...

Gonçalo:

Temo que vá dar-te uma resposta demasiado longa mas pode ser que tenhas paciência para ler até ao fim. Antes de leres, o que possa vir a escrever não é uma forma de ataque pessoal a ti. Expressarei unicamente aquela que é a minha opinião.
Sorte a de o teu cão ter ficado com uma mancha? Eu não creio que o facto de ficar com uma mancha, ou não, seja motivo para dizer que um cão tem sorte, ou não... Eu também já tive um pastor e era puro. Se isso me interessava? A raça? Não! Ainda hoje me irritei com uma senhora que me abordou na rua. Insistia ela, uma senhora cheia de "nove horas", que o meu cão era um Labrador, que parecia mesmo, que se não era, era, pelo menos, "arraçado"e blá, blá, blá. Era daquele tipo de pessoas patéticas que têm tanto gosto em passear um cão com pedigree como de andar num carro topo de gama. A mim, pouco interessa o pedigree. Nas pessoas ou nos animais.
Por acaso o meu cachorrinho não tem uma mancha. Tem três pelinhos brancos no peito. Sim, três. Mas por mim até podia não ter nenhum. Até podia ser às pintinhas azuis. Apaixonei-me por esta criatura no exacto segundo em que lhe peguei e ele se encostou muito a mim, com o focinho no meu pescoço. Posso dizer-te que com apenas 5 semanas que ele tinha na altura, não chorou uma única vez. Não chorou quando veio comigo, nem chorou uma única noite, por sentir a falta da mãe.
Aquilo que me preocupa e pode, sim, fazer dele um cão de sorte são outro tipo de coisas. Preocupa-me que ele seja um cão "feliz", dentro daquilo que eu lhe posso proporcionar (e infelizmente isso não inclui um jardim a perder de vista). Preocupa-me que ele tenha saúde para que possamos disfrutar da companhia um do outro o maior espaço de tempo possível. Já tive um gato que me fez sofrer e, acima de tudo, sofreu. Todos os dias a caminho do veterinário, depois dia sim, dia não. Até que não houve mais nada a fazer e tive que mandar abatê-lo.

Os animais são aquilo que fazemos dele. Vê-se muito do dono no animal. Eu acredito nisso. E este assunto, tudo o que envolva animais, cães neste caso, é daquelas coisas que mexe comigo. Há pessoas tão reles que nunca deviam ter animais na vida. É como eu costumo dizer: " Gosto de animais em geral e de algumas, muito poucas, pessoas em particular.". São abandonados, morrem ao frio, à fome, à sede (alguns até são envenenados!), são escorraçados como se nem sequer tivessem direito a uma vida digna! E de quem é a respansabilidade? Se há cães abandonados, quem os abandonou? Eu acredito que os animais têm direitos. E cabe aos donos desses mesmos animais zelarem por eles. Esta é a verdade. A minha verdade. Só isso me interessa.
Beijinho



Cátia:

Lucky agradece e manda beijinho! E uma lambidela!

Tudo de mim. Ou quase. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tudo de mim. Ou quase. disse...

Narizinhoooo

(sorriso grande para ti!)

Pensas que eu não sei isso?? A minha sôdona gata tem mais de dois anos e também fez essas proezas todas. A pior delas foi uma jarra branca que nem deu para colar. É o preço de ter animais em casa. Mas vale a pena, não vale?
Agora fica-se pelos cortinados. Ah! E os sofás... Ehehe
Tudo normal...
Quanto ao Lucky posso ir-me preparando para o que vem aí!

E o resto...
Nem sempre uma palavra substitui um abraço? Talvez. Mas, assim como gosto de abraços e mimos, também sou de palavras... Ditas, escritas no papel, no ecrã, nos olhos.

OBRIGADA, querida Narizinho, pelas tuas. Têm sido MIMOS em forma de palavras. Têm sido importantes. Mesmo que não o diga explicitamente... eu sei que percebes. Eu sei. E é bom sentir que estás por aí.

Beijinho e um xi apertado

Deusa disse...

Ok... momento lamechas...
Cutchi cutchi coisinha tãofofinha como é que alguma vez é possível ficar chateada com uma coisinha linda destas???
Eheh
Acho que deves começar a por as coisas "valisas" fora do alcance do Lucky!!!
Kiss

Gonçalo disse...

Eu li a resposta até ao fim e apetece-me recordar contigo aquele cliché:

"quanto mais conheço as pessoas, mais gosto dos animais..."

Sinto-te uma pessoa sensível :)

Beijinhos***

senhorita valdez disse...

meu deus que coisa fofa.
com um olhar daqueles quem é que resiste?
*